Dragão supera marca de 2008 e estabelece novo recorde do clube no Brasileirão

O triunfo sobre o Tupi na noite de sábado (12), não serviu apenas para garantir o título inédito da Série B para o Atlético. Os três pontos conquistados contra o time mineiro quebraram um recorde na história do Dragão. Pela primeira vez, o clube rubro-negro atingiu 70 pontos em um Brasileirão.

MELHOR DA HISTÓRIA

Analisando os índices do próprio clube na história, a campanha rubro-negra, na atual edição da Série B é a melhor que a equipe já conquistou em 13 participações na segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Com 70 pontos, o Atlético superou os 65 pontos conquistados em 2009, quando terminou na 4ª colocação.

A antiga maior marca em pontuação, superada diante do Tupi, foi registrada há oito anos atrás. Em 2008, os atleticanos foram campeões da Série C com 68 pontos, maior número até então.

EM PONTOS

De antemão, o máximo de pontos que a equipe rubro-negra pode alcançar é 76. Isso, hoje, coloca o time de Macelo Cabo na 6ª colocação de todos os dez campeões da Série B no atual formato da competição.

A equipe atleticana, se vencer os dois últimos compromissos (Sampaio Corrêa e Bahia), ficará atrás de: Corinthians (2008: 85 pontos); Portuguesa (2011: 81 pontos); Palmeiras (2013: 79 pontos); Goiás (2012: 78 pontos); e Vasco (2009: 76 pontos). A diferença para o clube cruzmaltino seria o saldo de gols. Hoje, o Atlético tem 21 gols de saldo, o Vasco foi campeão em 2009 com saldo de 29 tentos.

O APROVEITAMENTO

Sem questionamentos sobre a qualidade do futebol apresentado em campo durante a competição, o Atlético soma, no momento, um aproveitamento de 64,8% dos pontos disputados. Caso mantenha esse índice até o final da competição, terá, também, o sexto melhor rendimento da era dos pontos corridos. Ficando à frente de: Botafogo de 2015 (63,2%), Atlético Mineiro de 2006 (62,3%), Coritiba de 2010 (62,3%), Joinville de 2014 (61,4%) e Coritiba de 2007 (60,5%).

O ATAQUE

Em relação ao ataque, o Dragão está longe de ser dos melhores. Na atual edição, o time campineiro é o melhor com 57 gols marcados em 36 jogos, uma média de 1,58 por partida. No entanto, comparando com os demais clubes campeões, o Atlético só fica, em média de gols marcados, à frente de Coritiba, de 2007 e Joinville, de 2014, que tiveram médias de 1,42 tentos por partida. A melhor média até hoje é da Portuguesa, campeã em 2011, que balançou as redes 82 vezes em 38 jogos, com 2,16 gols por duelo de média.

A DEFESA

Em relação ao sistema defensivo a média atual é de 0, 94gols sofridos por partida. O Atlético, hoje, tem o sexto melhor aproveitamento da história dos pontos corridos, no quesito. Se a retaguarda não fosse vazada pelo Tupi ou qualquer outro time, o Dragão poderia ser o quinto melhor clube (0,82), se não sofrer nenhum gol até o final da atual edição da Série B. Outros times com marcas superiores são: Botafogo de 2015 (0,79), do Vasco de 2009 (0,76), do Corinthians de 2008 (0,76) e do Palmeiras de 2013 (0,74).

MAIS VITÓRIAS

Quando o assunto é vitórias, o Atlético com 20 vitórias é o pior clube em comparação com os demais campeões nacionais da segunda divisão, no entanto, basta vencer os dois últimos compromissos para subir da 10ª posição no ranking para o 4º lugar, ao lado do Vasco, entre os times que mais venceram na era dos pontos do corridos da Série B. Caso conquiste as três vitórias, o Dragão só ficará atrás de: Corinthians de 2008 (25), Palmeiras de 2013 (24), Portuguesa de 2011 (23) e Goiás de 2012 (23).

AS DERROTAS

Quando aos reveses, o Atlético dá show! Com seis derrotas, se não perder mais nenhuma partida na competição, a equipe atleticana será, ao lado de Vasco (2009) e Goiás (2012), o terceiro clube que menos foi derrotado em toda a história dos pontos corridos, na Série B. O trio só não foi melhor que: Corinthians (2008) e Portuguesa (2011), que foram superados em três oportunidades apenas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.