2016: Ano ímpar no profissional e nas categorias de base

Por anos, as categorias de base do Atlético sempre foram destaque e respeitadas. Só que desde o início dos anos 2000, a grave crise que passou o clube refletiu fortemente na base. Se a partir de 2006 o time profissional “ressurgiu das cinzas”, ganhou 4 campeonatos estaduais, subiu da Série C para a A, foi semifinalista da Copa do Brasil em 2010 e participou da Copa Sul-Americana, as categorias inferiores não acompanharam o crescimento.

Não era por menos, se no profissional o time, desde 2007, conta com um grande centro de treinamento, a estrutura na base era deprimente. Treinando e jogando em campos “alugados”, sem alojamentos para a garotada, sem acompanhamento de nutricionistas, não dava pra esperar mesmo algo maior.

Leia também

Por conta desse descaso, o time profissional nunca teve um destaque oriundo das categorias de base. Pra ser ter uma ideia do insucesso, nos últimos 10 anos, a “maior” revelação tinha sido o atacante Diogo Campos.

Seria necessária uma profissionalização da base. E ela finalmente veio. No início de 2015, com a posse do presidente Maurício Sampaio, foi anunciado o grande atleticano Profº Alcides Ribeiro para a diretoria das categorias de base.

Do seu próprio bolso, Alcides viabilizou o Estádio Antônio Accioly para a base. Construiu alojamento no local, reformou o gramado e trouxe profissionais de diversas áreas para acompanhamento dos jovens. Para cada subdivisão da base, há uma comissão técnica fixa.

Ainda, para este ano, após boas campanhas na base do Trindade, Mauro Antônio foi contratado para a função de coordenador geral das categorias de base do Atlético.

Os frutos dessa profissionalização estão sendo colhidos em 2016. Vejamos uma comparação entre 2015 e 2016:

No Sub-20 em 2015, o Atlético parou nas oitavas de final no Goianão e perdeu a vaga na Copa SP (sendo posteriormente participado apenas por convite da Federação do DF). Na Copa Goiás, foi penúltimo em seu grupo, ficando com a 13ª classificação geral. Em 2016, foi 3º no Goiano Sub-20 com ótimos 66% de aproveitamento e o atacante Alysson artilheiro com 15 gols. Pela Copa Goiás, o time está vivo nas semifinais.

No Sub-17, eliminado nas quartas do Goianão. Pela Taça Mané Garrincha, eliminado nas semifinais pelo Trindade. Neste ano, 4º lugar no Estadual, já apresentando uma melhora. Na Taça Mané Garrincha também encontra-se nas semifinais.

Já no Sub-15, após não participar do Goianão em 2015, a equipe parou nas quartas para o Goiás em 2016. Pela Copa Goiás, eliminado nas quartas no ano anterior, entretanto, neste ano o Dragão sustenta a melhor campanha geral e está nas semifinais.

Hoje, já colhemos frutos inclusive no profissional. O meia Luiz Fernando se destaca no time principal e está sendo muito útil no time líder da Série B. É um jogador que evoluiu muito em 2016 e ainda tem potencial para mais.

Uma equipe como o Atlético, com poucos recursos financeiros, não deve abdicar da base. Um garoto bem vendido alivia muitos as finanças da equipe. Para 2017, a expectativa é grande quanto aos garotos sub-20 que subirão ao profissional.

Infelizmente o Profº Alcides pediu desligamento do clube após derrota nas eleições de Aparecida de Goiânia. Uma enorme perda. Mas tenho confiança que após este grande ano na base, a diretoria não cometerá os antigos equívocos de tratar a molecada como segundo plano.

Estamos a um passo da Série A e com bons desempenhos nas categorias não-profissionais. Que ano maravilhoso!

Torcedor compareça ao Accioly e apoie os garotos nas semifinais:

Sub-20 – Atlético x Vila Nova – jogo de ida Copa Goiás – 04/11 às 16h30

Sub-17 – Atlético x Vila Nova – jogo de ida Taça Mané Garrincha – 08/11 às 16h30

Sub-15 – Atlético x Vila Nova – jogo de volta Copa Goiás – 06/11 – às 16h30

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!