Presidente do Atlético-GO diz que decisão de jogos sem torcida no Goianão precisa ser respeitada




Após a confirmação de alguns casos do Corona vírus em Goiás, o governador Ronaldo Caiado, junto a secretária de saúde do estado, acharam por bem cancelar eventos populares marcados para os próximos dias no estado. Isso inclui que os jogos a partir da 10ª rodada do Goianão sejam sem público. Por esse motivo as vendas de ingresso para a próxima rodada foram cancelados.

O presidente do Atlético, Adson Batista, opinou sobre o caso. Ele disse que se a medida for pelo bem social ela é completamente valida, e que ele lamenta que seja necessário tomar essa atitude. Segundo ele o estádio vazio perde muito na questão do espetáculo.

“A gente não tem embasamento e nem conhecimento para emitir uma opinião mais profunda, mas eu fico triste porque futebol sem torcedor é muito sem graça. Por outro lado temos que entender e respeitar porque é uma medida busca proteger a saúde do cidadão. É uma situação nova, muito perigosa, mas eu sinto que será passageiro, e tenho confiança que será um vírus que logo será controlado e sou muito otimista com isso”, avaliou o presidente.

O tempo que será necessário manter os jogos sem público ainda não foi estipulado devido a falta de previsão sobre o futuro dessa pandemia global. O que torna o futuro incerto dos próximos  grandes desafios que o clube vai enfrentar muito em breve.

“O prejuízo será grande porque nós teremos que pagar para jogar, já que temos o aluguel do estádio e outras despesas porque o estádio não é nosso. Teremos prejuízos que hoje eu diria incalculáveis. É muito ruim, mas teremos que enfrentar isso juntos e ter a confiança de a gente possa superar esse problema mundial, que possa ser passageiro e logo ter o torcedor ao nosso lado”, destacou Adson.

O jogo contra o São José-RS pela Copa do Brasil, aqui no Olímpico, ainda teve a presença de torcedores. No Rio Grande do Sul a medida de prevenção ainda não foi decretada, por tanto a equipe Porto Alegrense também terá a presença do seu torcedor. Essa situação destaca o fato do estado de Goiás ter sido o primeiro do Brasil a tomar precauções para a segurança social contra o vírus. Para Adson Batista é uma atitude louvável do estado, tendo em vista a gravidade social do problema.

“Eu manifestei minha preocupação ao presidente André Pitta sobre essas situações e ele está atento junto à CBF para nos manter informados. Até para trazer também tranqüilidade para os nosso atletas porque todo mundo fica preocupado com a saudade, com um problema que ninguém tem controle. Estaremos atentos para tenhamos toda tranqüilidade possível”, revelou o dirigente.







Os comentários estão encerrados.

error: Content is protected !!