Antes de fechar com o Atlético-GO, goleiro Jean revela que quase pensou em deixar o futebol




Durante a coletiva de imprensa, o presidente Adson Batista falou sobre a contratação do goleiro Jean, que estava no São Paulo e explicou a posição do clube com relação a chegada do arqueiro rubro-negro.

“Estamos muito felizes de também poder ajudar um ser humano a se recuperar. É um jogador de 24 anos, com uma vida longa na sua profissão e sabe que errou. Ele não quer persistir no erro e é importante as pessoas entenderem que existem dois lados, mas nada justifica a violência. Vamos procurar recuperar esse atleta, ele vai dar sequência na sua vida de maneira correta, porque se não sabe que não tem espaço aqui no Atlético”, completou.

Leia também

Depois apresentado, o goleiro explicou mais detalhes e reforçou o seu ponto de vista: “infelizmente durante esse tempo estava impossibilitado pela justiça americana, por causa do processo, de falar e tocar no assunto, de me referir direta ou indiretamente à minha ex-mulher. De antemão, pedir desculpa pelo meu erro, toda história tem dois lados sim, mas como o Adson falou, não justifica a agressão. Foi um reação que tive, mas que nunca tinha tido antes na minha vida”, disse.

Por fim, o goleiro Jean explicou que quase pensou em pendurar as chuteiras antes de fechar com o Atlético-GO: “Pensei em parar de jogar num momento em que estava sendo atacado de todos os lados. Pessoas me xingando e me julgando em tom muito agressivo, ameaçando até de morte. Pensei, sim, em parar de jogar, sofri bastante, estou sofrendo. Mas, por outro lado, em conversa com minha família e meu empresário me perguntando o que eu sabia fazer. Eu não soube responder. Jogar futebol é a única coisa que sei fazer. Se eu fosse sozinho, teria parado de jogar. Mas eu tenho minhas filhas, tenho que cuidar delas, por isso, não parei de jogar”, afirmou.







Os comentários estão encerrados.

error: Content is protected !!